‘Huir Migrar Parir’ vence na categoria Jornalismo Escrito do Prêmio Roche 2021

Trabalho vencedor na categoria Jornalismo escrito Prêmio Roche 2021.

Um projeto jornalístico transnacional e colaborativo feito por Distintas Latitudes, La vida de Nos, Mutante e GK é o vencedor do Prêmio Roche de Jornalismo em Saúde na categoria Jornalismo Escrito.

Trata-se de ‘Huir Migrar Parir’, investigação na qual participaram 35 jornalistas, editores, fotógrafos, designers e analistas de redes de Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, México e Argentina, que conta a história de Marian Gutierrez, uma venezuelana de 19 anos que, depois de descobrir estar grávida, começa uma travessia de mais de 4 mil quilômetros por três fronteiras: de Venezuela a Colômbia, e Equador, e ao Peru.

Para o jurado da categoria Jornalismo Escrito em 2021, ‘Huir Migrar Parir’ é um relato sensível e inovador, com excelente narrativa, que prende e surpreende ao contar a história dos mais vulneráveis e revela um caso pouco explorado sobre a violação dos direitos humanos. Além disso, destacam a complexidade logística do projeto com autores espalhados por diferentes países e de diferentes meios de comunicação.

Veja o trabalho: Parte 1 / Parte 2 / Parte 3 / Parte 4

O jurado foi formado por Sabrina Duque, jornalista e tradutora equatoriana, e Bernardo Esteves, jornalista especializado em ciência e meio ambiente e investigador de estudos sociais, ciência e tecnologia, com a assessoria médica do doutor Daniel Nogueira.

Sobre os autores

María Laura Chang Lombardi: Jornalista independente especializada em direitos humanos, saúde e migração. Vencedora do One World Media 2021 pelo trabalho colaborativo ‘Violentadas en Cuarentena’ e duas vezes finalista do Prêmio Gabo por ‘Sin tratamiento’, em 2016, e ‘Son presos políticos’, em 2018. Vencedora da Bolsa Oxfam-Fundação Gabo de jornalismo de imigração em 2019 e da Bolsa de Histórias Sem Fronteiras da Inquire First, sobre políticas públicas e saúde mental em 2021.

Colaborou para meios como The Washington Post, The New York Times em espanhol, Infobae, Ojo Público, Armando.info, Salud con Lupa, RedAcción e La vida de Nos. Participou em projetos transnacionais como ‘El Parto Robado’, ‘Los Derechos no se aíslan’ e ‘Resistencia Trans en pandemia’. Foi parte da equipe fundadora do meio independente Efecto Cocuyo. É coautora de ‘Días Salvajes. 15 historias reales para comprender el colapso de Venezuela’ (Punto Cero, 2019). Também faz parte da Red de Periodistas Venezolanas e da equipe global de Chicas Poderosas.

Jordy Meléndez Yúdico: Internacionalista, consultor e especialista em meios digitais, jornalismo e cooperação internacional. Codiretor de Factual, associação enfocada na construção de redes entre meios e jornalistas na América Latina e Caribe. Fundador de Distintas Latitudes e da Red LATAM Jovens Jornalistas, iniciativa inédita para identificar, conectar e promover novos talentos jornalísticos na região.

Dedicou mais de 10 anos da sua vida profissional a criar espaços de encontros e aprendizagens entre meios e jornalistas, como o Foro Latinoamericano de Medios Digitales y Periodismo. Autor de “Primer Estudio de Medios Digitales y Periodismo en América Latina (2016)” e de diversos artigos acadêmicos sobre cooperação descentralizada.

Albor Rodríguez: Jornalista, editora e docente venezuelana. Autora, entre outros livros, do romance autobiográfico ‘Duelo’ e do livro de depoimentos ‘De eso no se habla, la huella del sida en Venezuela’. Depois de trabalhar em meios tradicionais por duas décadas, fundou em 2017 o site La Vida de Nos, finalista do Prêmio Gabo em 2018, Premio a la Excelencia Periodística da SIP em 2020 e da Menção especial no Prêmio Ortega y Gasset 2021.

Héctor Torres: Narrador e editor venezuelano. Autor de El amor en tres platos’ e ‘El regalo de Pandora’ (contos), ‘La huella del bisonte’ (romance), da trilogia: ‘Caracas muerde’, ‘Objetos no declarados’ e ‘La vida feroz’. Compilou Días salvajes’ junto com Albor Rodríguez.

Cofundador e editor chefe de La Vida de Nos. Cofundador e ex-diretor do portal Ficción Breve Venezolana (1999). Coordenou, junto à romancista Ana Teresa Torres, a Semana de la Nueva Narrativa Urbana (2005-2010) e coordena (desde 2006) o Prêmio Julio Garmendia para Jovens Autores (antes Prêmio de Conto Policlínica Metropolitana para Jovens Autores).

Isabela Ponce Ycaza: Jormalista e editora equatoriana. Seu trabalho está enfocado em direitos das mulheres e das crianças, e também em meio ambiente e direitos indígenas. Em 2011 cofundou o meio independente GK, no qual é a atual diretora editorial. Em 2021 ganhou o prêmio Ortega y Gasset na categoria Melhor História. Em 2019 e 2020 fez parte da equipe finalista do Prêmio Gabo na categoria Cobertura, pelos projetos ‘Frontera Cautiva’ e ‘Tierra de Resistentes’, respectivamente. Em 2019 ganhou menção da SIP na categoria Opinião por uma coluna sobre violência de gênero no Equador. É graduada em Jornalismo pela UCG, de Guayaquil, e mestre em Antropologia, Meio Ambiente e Desenvolvimento pela UCL, de Londres. Atualmente é bolsista de um programa de jornalistas da Corte Interamericana de Direitos Humanos.

José María León: Editor equatoriano. Fundou GK, premiado meio de comunicação equatoriano. Seu trabalho como cronista e repórter foi publicado em GK, nas revistas Etiqueta Negra, Etiqueta Verde, SoHo, entre outras. Desde 2016 escreve para o The New York Times, onde publica trabalho original em inglês. Seu trabalho como editor inclui vários trabalhos premiados em todo o mundo. O mais relevante entre eles talvez seja o texto vencedor do Prêmio Ortega y Gasset 2021, ‘Las mujeres que le ganaron al desierto’, escrito por Isabela Ponce. Outros trabalhos editados por ele receberam destaque nos Premio Gabo, Online Journalism Awards e nos prêmios de jornalismo investigativo Colpin, entre outros. É um dos autores do livro ‘Perdimos’, editado por Diego Fonseca e Martín Caparrós.

Juan Camilo Maldonado: Repórter, editor e empreendedor. Acredita que o jornalismo livre tem uma função insubstituível em nossas vidas. Começou a carreira no El Espectador e foi cofundador de VICE Colômbia e Pacifista. Em 2016 cofundou Camino, onde liderou o nascimento de Mutante.

Elizabeth Otálvaro: Jornalista da Universidade de Antioquia. Sua carreira profissional começou em Hacemos Memoria. Depois foi para Mutante escrever, editar e pensar uma forma de subverter o jornalismo tradicional. É feminista e apaixonada pelo trabalho comunitário. Suas principais obsessões são os debates sobre a desigualdade e a memória da violência na Colômbia.

Erick Lezama: Jornalista, editor e narrador venezuelano. Como editor web de La Vida de Nos participou de projetos colaborativos reconhecidos internacionalmente. Foi finalista e nomeado na categoria Texto do Prêmio Gabo, nas edições de 2018 e 2019, respectivamente. Em 2020 ganhou o Prêmio a la Excelencia Periodística da Sociedad Interamericana de Prensa (SIP), e menção honrosa em Acesso à Saúde no Prêmio Roche de Jornalismo em Saúde.

Em 2021 recebeu Menção Especial no Prêmio Ortega y Gasset. É coautor dos livros ‘Crónicas Insumisas’, ‘Días Salvajes’ e ‘Ahora van a conocer al diablo’, que retratam diversas arestas da crise venezuelana. Foi colaborador do Instituto Prensa y Sociedad (Ipys Venezuela) e de Salud con Lupa (Peru). Participa do La Vida de Nos Itinerante, programa que oferece workshops de escrita de histórias a estudantes de comunicação social, jornalistas, professores, fotógrafos e ativistas de direitos humanos.

Raylí Luján: Jornalista venezuelana, graduada na Universidad Santa María em 2011. Foi repórter de política em Noticias24.com, coordenadora da edição impressa de El Nuevo País entre 2016 e 2018, e colaboradora no jornal El Nacional, meio no qual ganhou o Prêmio Sulamericano de Jornalismo da OIM de 2019 pelo trabalho ‘Los otros rostros de la migración’. Colaborou para meios digitais como Prodavinci, com uma cobertura sobre a fronteira colombo-venezuelana durante a tentativa de entrada da ajuda humanitária. Atualmente escreve para La Vida de Nos, La Gran Aldea e La Platilla.

Ana Cristina Basantes: Jornalista equatoriana. Cobre temas relacionados com imigração venezuelana, meio ambiente, direitos humanos e saúde. Foi repórter do meio digital equatoriano GK entre 2019 e 2021. Em 2020 foi bolsista da DW Akademie e Efecto Cocuyo para realizar reportagem sobre imigrantes venezuelanos que vivem com HIV no Equador, intitulado ‘Huir para no morir: migrar en busca de antirretrovirales’.

É graduada em Comunicação com menção em Imprensa, Rádio e Televisão pela Pontificia Universidad Católica do Equador. É mestranda em Jornalismo pela Universidad Autónoma de Madrid- EL PAÍS.

Laura Cruz: Cientista política colombiana e mestra em jornalismo. Desde 2013 escreve para diferentes meios em seu país, como Revista Semana, Bienester Colsanitas, VICE, Cerosetenta, Mutante, entre outros. É especializada em jornalismo investigativo e durante mais de quatro anos cobriu temas relacionados a desigualdade de gênero, violência contra as mulheres e acesso a direitos sexuais e reprodutivos.

Ganhou bolsas de jornalismo: uma em 2019 da Oxfam e Fundação Gabo para produzir conteúdo sobre imigração, outra em 2017 da ICJF e Connectas para realizar investigação sobre assédio sexual nas universidades da Colômbia. É socia-fundadora da Fundação Mutante e atualmente é Assistente de Informação Pública da sub-oficina da ACNUR em Cali, na Colômbia.

Martha Viaña Pulido: Fotógrafa e jornalista com pós-graduação em Opinião Pública e Comunicação Política. Bolsista da V geração da Especialização de Fotonarrativa e Novos meios, da Fundação Pedro Meyer, em 2017. Seu trabalho ‘La Peluquería’ foi publicado em Zona Zero Labs e exposta na Organización Nelson Garrido. Participou de diversas exposições e publicações.

Coordenadora de fotografia do projeto sobre liberdade de expressão ‘Crónicas Insumisas’, do IPYS Venezuela, de 2018. Editora visual de ‘Las voces del JM’, que recebeu menção especial no prêmio IPYS Venezuela de 2019 e de ‘Los Confinados’, que recebeu menção especial no Premio Ortega y Gasset de 2021. Trabalhou nos Workshops itinerantes de La Vida de Nos. É diretor de comunicações da Universidad Metropolitana. As vivências da cidade, as implicações emocionais que ela traz a seus habitantes, assim como o registro de sua configuração física, formam uma das suas principais linhas de investigação.

Paula Thomas: Fotógrafa e curadora independente colombiana, especialista em produção editorial e graduada em direção de arte com especialização em fotografia artística contemporânea e curadoria e museologia. Foi diretora de fotografia em diferentes meios audiovisuais na Argentina, México e Colômbia. Foi editora de fotografia da revista VICE Colômbia e PACIFISTA.

Participou em vários projetos pedagógicos como mentora de fotografia da Behance Porfolio Review, foi tutora no Acampamento 20 Fotografos México, e professora de narrativas visuais na faculdade de jornalismo da Universidad Central da Colômbia. Atualmente é membro do coletivo fotográfico colombiano REOJO, membro da Women Photograph, membro de MUTANTE e criadora da RED DE FOTOGRAFAS COLOMBIA. Sua obra é centrada em temas de gênero e diversidade e foi publicada em meios como VICE, i-D, P MAG, Vogue, Revista Semana, Revista Arcadia, jornal El Tiempo, jornal El Espectador, jornal El Colombiano, revista Bocas, 070, Ojo Publico, Nómada, entre outros.

Outras pessoas da equipe:

– Reportagem: Ana Karolina Mendoza (Colômbia), Mirelis Morales (Peru).

– Edição e mentoria: María Teresa Ronderos (Fundação Gabo).

– Dados, galerias e visualizações: Tatiana Rojas Sánchez, Alma Ríos e Juanchi Parra (Distintas Latitudes).

– Fotografia: Eduardo Valencia (Venezuela), Reojo Colectivo (Colômbia), Baltasara Campos (Equador), Luis Cáceres (Peru) e Anthony Ascer Aparicio (Argentina).

– Redes sociais: Verónica Aumala (GK), Lennis Rojas, Liamir Aristimuño (La vida de Nos) e Flor Luján e Flavia Fiorio (Distintas Latitudes).

– Conversa Mutante: Nicolás Vallejo, Andrés Felipe Archila, María Paula Murcia, María Claudia Dávila, Laura M. Naranjo, Luisa Rengifo e Pedro Samper.

Sobre o Prêmio Roche

O Prêmio Roche de Jornalismo em Saúde é uma iniciativa da Roche América Latina e da Secretaria Técnica da Fundação Gabo, que busca reconhecer a excelência e fomentar o trabalho jornalístico de qualidade na cobertura de temas de saúde na América Latina.

Feito com por

Pin It on Pinterest