Pular para o conteúdo

Larón, la lucha por crecer

Mais de 100 pessoas no Equador padecem de uma doença rara chamada Síndrome de Larón, que não permite a elas desenvolver uma estatura normal, pois não passam de um metro de altura. A zona de Balsas Cobija concentra um terço de todos os casos registrados da doença no mundo. Existe um tratamento que se deve tomar antes de que se termine a idade de desenvolvimento dos jovens. Entretanto, o Estado não permite a importação de tal remédio. Os pais de crianças que lutam há nove anos para ter acesso ao medicamento tiveram vitórias legais, mas ainda não receberam respostas definitivas enquanto o tempo corre.

Carolina Mella, repórter; Ramón Murillo, produtor; Tito Mite e Darío Piñera, cinegrafistas; Alexander Orozco, musicalizador.

Autores

Carolina Mella

Ecuador

Carolina Mella

Depois de ter participado de coberturas de alto risco, demonstrou ser uma repórter de guerra. Soube qual profissão iria escolher ainda criança, em sua cidade natal Manta, no Equador. Esteve em Ciudad Juárez junto com um fotógrafo local, perseguindo um grupo de matadores de aluguel que fugiam da Polícia Federal mexicana.

Caminhou sobre um campo minado na cordilheira do Condor e sobre os escombros das cidades devastadas pelo terremoto no Haiti. Durante a tentativa de golpe no Equador, conhecida como 30S, permaneceu dentro do hospital resistindo às ameaças que os insurgentes lhe faziam.

Em 2010 estudou na Espanha como bolsista do prestigioso Programa Balboa para jornalistas jovens. Nesse país, trabalhou para o canal de televisão Telemadrid. Na sua volta ao Equador, foi chamada a fazer parte do jornal Ecuavisa, onde demonstrou sua habilidade como investigadora.

Ramón Murillo Ortiz

Ecuador

Ramón Murillo Ortiz

Formado em Comunicação Social e Literatura, com menção honrosa, pela Universidad Católica de Santiago de Guayaquil. Trabalhou em produções audiovisuais independentes, curta metragens e documentários, nos quais foi diretor. Também criou revistas de alta qualidade editorial, como Luz Lateral. Foi professor de comunicação audiovisual e literatura em universidades e colégios. Em 2010 publicou o livro Imaginarios 1 e em 2011 Imaginarios 2, que são utilizados hoje em dia na rede pública escolar.

Foi professor de Educação Artística e Diretor de Arte no reconhecido Liceo Panamericano de Guayaquil, quando recebeu a proposta para se juntar à equipe de Visión 360 como professor. Atualmente é diretor de fotografia.

Além disso, é fundador do Festival Intercolegial de Cinema, cujos curtas foram projetados em várias cidades do Equador e de outros países como Argentina, Chile, Colômbia e Espanha.

Feito com por